Por Murillo Leite

É inegável a importância do Venom na música pesada. Influenciaram músicos de diversos estilos e no metal foram determinantes na propagação do que consideramos de extremo. Em 2015, dois membros originais, Mantas e Abbadon, se reuniram com Demolition Man para além de reeditar umas das formações da banda pós-saída de Cronos no final dos anos 80, dar vida ao seu novo legado, Venom Inc., que está prestes a lançar seu debut-album Ave via Nuclear Blast. Batemos um papo com o vocalista/baixista Tony “Demolition Man” Dolan e a conversa revelou muitos detalhes do universo Venom, alguns deles desconhecidos até por quem conhece bem a história dessa banda seminal. Confira tudo isso e muito mais abaixo. 

Tony “Demolition Man” Dolan

Metal Heavy: Olá, Tony! É um prazer ter o Venom Inc no Metal Heavy. Você poderia começar nos contando a história do Venom Inc. desde quando você, Jeff Dunn (Mantas) e Tony Bray (Abbadon) se reuniram em 2015? Como tudo isso aconteceu?
Tony Dolan: Bem, eu ia tocar num show com o Atomkraft e convidei o Mantas para se juntar a nós em duas músicas. Um promotor da Alemanha estava no show e curtiu a jam, então ele me perguntou se ele poderia incluir nossa banda M:Pire of Evil no seu festival retrô na Alemanha chamado Keep It True. Eu aceitei e então ele perguntou se seria possível ter Abaddon no palco para tocar algumas faixas para os 2000 fãs do local. Eu disse que talvez não fosse possível, então ele insistiu por ser um show especial e ainda disse que estava certo de que eu poderia materializar essa ideia. Uma pequena longa história, né? Mas depois rolou e a reação foi tão incrível. Quando demos conta estávamos sendo agendados para tocar mundialmente e então tomamos a decisão de aceitar as ofertas para fazer os shows e nos divertir, foi assim que rolou, por aproximadamente um ano isso não parou, pelo contrário, aumentou cada vez mais e agora temos um álbum, etc. É alucinante, bem maluco mesmo, na última turnê nos EUA, Jello Biafra, Max Cavalera, James Hetfield etc, tantas pessoas vindo nos ver… foi fantástico, show sold out em Los Angeles! Impressionante! E Brasil, Rio foi uma noite soberba, São Paulo, muito louco, Curitiba idem. Nos sentimos muito sortudos pelo fato de nada disso ter sido planejado, mas fomos envolvidos pelo carinho e de forma involuntária, todo o momento em que pensamos em descansar mais ofertas aparecem, então nós as aceitamos, porque é a razão de estarmos aqui, pela música e pelos fãs.

MH: Anterior ao Venom Inc. você e Mantas tocavam no M:pire of Evil, o qual tive a oportunidade de ver um show animal em São Paulo em 2013. O MOE está parado atualmente e além disso, faz parte do plano de vocês tocarem novamente com esta banda?
TD:
Essa é a ideia por trás do nome ‘Incorporated’ (risos). Estamos em pausa por conta do Venom Inc mas iremos finalizar um álbum “inédito” perto do Natal então o material estará pronto para ser lançado no verão de 2018. Se conseguirmos encontrar um espaço na agenda poderemos também fazer alguns shows.

MH: “Dein Fleisch” é o primeiro single álbum vindouro “Ave”. Tal música é bem pesada e inspiradora, eu realmente curti! Qual é o conteúdo lírico por trás da canção e o conceito para o vídeo?
TD:
Ah obrigado. As pessoas somente assistiram o vídeo editado e alguns sequer ouviram a faixa inteira, mas eles não estão interessados na letra como eu suponho que muitos outros fãs estão. A música fala sobre o seu Eu interior, a pessoa que está escondida em todos nós, a pessoa que ambiciona, deseja fazer sexo bizarro, matar a esmo. Coisas malignas e extrema. O vídeo é uma viagem de um cara que tem um excelente emprego, uma linda esposa, crianças e aparenta estar muito feliz, mas quando está sozinho se transporta para um lugar escuro dos prazeres. E numa noite ele encontra Satã que vem para tentá-lo a experimentar tudo que ele aprecia, então ele concorda em dar a sua alma, sua vida para ter toda a luxúria que ele possa desfrutar. Ele morre feliz, no final do vídeo podemos ver sua esposa lambendo o sangue do seu corpo, mas ainda com o coração batendo. A razão de tudo isso foi mostrar que TODOS NÓS temos estes desejos obscuros, e que NÓS somos os únicos que sabemos quem de fato nós SOMOS.

Mantas

MH: “Ave” está previsto para sair em agosto de 2017 via Nuclear Blast. O que mais você pode dizer sobre este tão aguardado álbum?
TD:
Posso dizer que ele é 100% nós, verdadeiro e puro. Oldschool, porque NÓS SOMOS Oldschool mas, ainda nos movendo e vivendo em 2017, não presos a 1981. Todos nós direcionamos nossas carreiras e evoluímos também. Não tentamos nos copiar ou reeditar um Black Metal ou um Welcome to Hell (risos) isso soaria falso. Nós compusemos e executamos da forma que nós somos, simples assim. Nos mantemos fieis a nós mesmos, o título Ave é latim e é uma saudação para cada técnico, fotógrafo, motorista, promotor, agenciador, jornalista, blogger, etc …e o PRINCIPAL, aos fãs do mundo todo, quem têm nos apoiado, ajudado e mantido a bandeira hasteada com suas crenças e fé. Nos últimos anos com tantos shows por todo o planeta, milhares de fãs nos encontrando e ouvindo nossos urros, este álbum mostra o resultado de tudo isso, nos empurrando para frente, então esse é o nosso agradecimento a todos. Uma enorme saudação, este é álbum de NÓS para vocês.

Obviamente muitas pessoas perguntaram isto a vocês antes, e eu não irei fugir à regra (risos). Apesar da formação do Venom Inc. ter sido no passado uma formação oficial do Venom, por que vocês escolheram o nome Venom Inc.? Houve alguma implicação legal com o Cronos/Venom decorrente desta escolha?
TD:
Na verdade não há nada relacionado a questões legais, nós apenas queríamos distinguir as duas entidades. Nós usamos o logo que fora concebido pelo Abaddon para a banda e ele queria utilizá-lo agora. Eu adicionei o ‘Incorporated’ uma vez que todos nós possuímos projetos musicais, então pensei que pudéssemos incorporá-los todos em uma coisa só. Aliado ao fato de que nós todos somos conhecidos por sermos Venom nos pareceu óbvio. Venom é também Incorporated pelo que somos e é a nossa identidade. As questões legais estão todas a nosso favor, mas nós não nos ligamos para isso, nos importamos sim com os fãs, com a música e em não parar de tocar. Para mim é importante que os fãs consigam ver e ouvir a todos isso é o que IMPORTA. Sem lados de cá ou de lá, mas sim cada um fazendo o seu dentro de um todo. As pessoas podem optar em ter tudo, ou parte, ou algo ou nada, mas está tudo lá para ser visto ou ouvido e é isso que os fãs merecem, não privilegiando o desejo de uma pessoa somente.

Abaddon

MH: Voltando muito ao tempo nós pudemos ver você tocando na banda britânica de metal Atomkraft. O que você lembra destes primeiros dias? O Atomkraft ainda encontra-se ativo?
TD:
Nós do Atomkraft não saímos mais para turnês uma vez que é tipo um projeto solo meu com alguns dos meus amigos me auxiliando, mas volta e meia estou eu gravando material e planejando terminar um álbum que sabe lá quando estará concluído. O Atomkraft tem muito de mim, de quem eu sou. Eu era o Demoltiion Man naquela época e sou o Demolition Man agora, isso NUNCA mudou ao longo dos anos. Eu nunca tentei ser outro alguém, eu não tenho que ser. Os primeiros anos foram incríveis, apenas caras jovens querendo ser extremos. Nós juntávamos (na minha mente) a velocidade furiosa do Punk como o The Dickies (dos EUA) com o Motorhead e tínhamos o Atomkraf. Nos idos de 79 isso era extremo. Mas quis o destino que levássemos até 1985 para gravarmos um álbum e nessa época a gente já não se via tão extremo assim. Parece que as pessoas achavam que somente o Venom fazia um som assim, mas não era. Eles foram os primeiros tornar o estilo mundialmente conhecido e os agradecemos por isso, pois possibilitou a muitos seguirem por este caminho. Sempre me pego lembrando dos bons tempos dos dias de Atomkraft até a nossa parada em 88. Então eu me juntei ao Venom e obtive grande sucesso com o Prime Evil, no final acabou tudo dando certo.

MH: Pelo que pudemos ver nos posts de redes sociais, Johnny Zazula, antigo proprietário da Megafore Records teve um papel relevante no processo de assinatura de contrato com a Nuclear Blast. Que tipo de contribuição ele efetivamente teve dentro deste processo em geral?
TD:
Bem, eu conheço Jon Z há alguns anos e eu fiquei perturbando-o para me ajudar no gerenciamento da banda nos 2 anos antes da assinatura do contrato de gravação, mas ele estava tipo aposentado, então negou meu pedido. Então nós fomos tocar em sua cidade e após o show ele me ligou dizendo “Ok, Tony, o que você precisa que eu faça?”, e assim rolou. Eu expliquei a necessidade de ajuda no gerenciamento e então começamos a trabalhar em conjunto. Seu parceiro Chuck Billy (Testament) também se juntou a nós e formamos uma equipe coesa. Antes do Natal passado, Jon me pediu algumas demos para que pudéssemos contatar os selos. No início eu estava inseguro porque nós não tínhamos planejado fazer um álbum, mas nós cedemos e fizemos algumas demos e as enviamos ao Jon. Ele disse que o material estava OK e pediu mais, então fizemos mais músicas, ele as adorou e disse “OK, para qual selo vocês querem que eu envio?” Eu tinha uma relação de longa data com Jaap Wagemaker da Nuclear Blast na Alemanha então pareceu ser o lar perfeito para nós na minha opinião. Portanto Jon, enviou as demos para o Jaap e prontamente nos ofereceram para gravarmos um álbum para eles. Fomos muito bem recebidos pela família Nuclear Blast através de um acordo.

MH: Quais são os planos do Venom Inc.? Quero dizer, há planos para uma turnê mundial? Singles ou vídeos futuros para a promoção do álbum?
TD: A turnê mundial começará na América do Norte em 01/09/17 e seguirá por algumas datas selecionadas no Reino Unido e Europa. América do Sul certamente será em novembro e dezembro. Após o Natal iniciaremos um giro completo pela Europa e então iremos ao Japão e outros países asiáticos finalizando na Austrália e Nova Zelândia. O primeiro vídeo “Dein Fleisch” foi lançado, um Flexi disc de 7 polegadas do single saiu encartado na revista Decibel dos EUA. Em 07/07/17 saiu o lyric vídeo para a faixa título “Ave Satanas” e o álbum sairá em agosto via Nuclear Blast.

Ainda falando sobre o Brasil, você tem uma forte relação com os fãs e bandas daqui. Qual é a sua opinião sobre o país e quando o Venom Inc. voltará aqui para uma turnê?
TD:
Sim, eu tenho laços estreitos com o Brasil e os fãs, as bandas que são amigas e com talentosos músicos de todo o Brasil. O plano é voltar em dezembro com o álbum novo e tocar o maior número de shows possível.

Este espaço é seu. Agradecemos sua atenção e por favor deixe uma mensagem para os seguidores do Metal Heavy. Vida longa ao Venom Inc.!
TD: Obrigado Brasil, minha segunda casa, por ser um país incrível com fãs maravilhosos e sempre nos acolhendo como uma família. Amo vocês e obrigado pelo apoio e pela gentileza que vocês sempre nos trataram. Isso é tudo por vocês e nos vemos em novembro/dezembro. AVE!

Sobre o Autor

Jornalista, guitarrista do Huey e apaixonado por música desde sempre.

Posts Relacionados